terça-feira, 29 de setembro de 2009

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Os pés

Os pés são quem mais sofre. Aparentemente tenho alguma facilidade em fazer bolhas nos pés - falta-me calo. Nos treino do dia-a-dia não tenho grandes problemas. Mas nos treinos longos começam a acontecer coisas! Depois de uma, duas horas a andar, a insistência transforma uma pequena saliência numa lâmina.
Outro pormenor: os pés incham e não é pouco. Os meus crescem mais de um número, o que talvez seja agravado pelo meu peso extra e alguma inflamação "crónica" que tenho tido ao nível dos tornozelos.

Encontrar os sapatos certos também não tem sido fácil. Comecei por usar uns ténis de caminhada "fora de estrada" que, bem vistas as coisas, não são nada maus. O único defeito é serem um pouco mais pesados do que seria desejável para quem anda em estrada.

Não contente com estes fui repescar uns ténis de corrida à muito guardados debaixo da cama. Foram piores: ténis de corrida não são os ideias para andar, têm características diferentes; pior ainda é que estavam justos o que é muito mau - com o inchaço dos pés acabem um treino de 16 km com os dedos completamente encolhidos.

Decidi que precisava de uns ténis novos. Informei-me e fui às compras. Apesar de terem boas características para andar (flexíveis, leves, sem desnível da frente até ao calcanhar) não tem resultado muito bem. Teimam em implicar com o meu calcanhar esquerdo, por sinal o que evidencia alguma inflamação. No último treino longo (o primeiro com estes) fez-me um belo estrago. Ao contrário das outras vezes nem me apercebi do que estava a acontecer. Ainda não percebi a causa, pois não tenho qualquer problema no outro pé: má postura, estarem mal apertados, ou se simplesmente não gostam nos meus pés!

domingo, 27 de setembro de 2009

Plano de Treino 50K

Após as duas, três primeiras semanas em que procurei andar todos os dias cerca de 1 hora, no máximo hora e meia, comecei a pensar e a procurar um plano de treino que se adapta-se aos meus objectivos.

Desde então tenho vindo a seguir (mais ou menos) um plano de treino de principiantes para a maratona - neste caso uma maratona a andar e não a correr. De factor o treino é em tudo igual a quem faz uma maratona a correr, com a distinção que se faz a andar.

O plano em si é do mais básico que se pode ter:
- 3 dias de treino "curto"/normal
- alternados com, 3 dias de repouso
- 1 dia de treino longo (ao fim-de-semana)
- duração: 18 semanas
- as distâncias (do treino longo e total semanal) aumentam gradualmente ao longo do tempo, não mais do que 10% em cada semana.

Nos dias de treino "curto" poderia ser um pouco mais ambicioso e fazer treinos específicos de velocidade ou força, treinos intervalados, etc, mas para já o objectivo não é esse. Os objectivos são: perder peso e ganhar algum endurance de base. A velocidade e a forma aeróbica virão lentamente e mais à frente.

Os dias de repouso são fundamentais: permitem ao corpo recuperar e adaptar-se ao esforço que lhe está a ser exigido. No entanto, dado que a intensidade do treino não é muito grande e que o objectivo é perder peso também faço um treino mais leve, ou de recuperação nos dias de repouso. Pelo menos um dia por semana e sempre que estou um bocado dorido faço um dia de descanso total.

Para além do treino propriamente dito, tenho ainda o privilégio de poder ir e vir a pé ou de bicicleta para o trabalho. São uns 3-4 kms adicionais, mas feitos a um ritmo moderado. A bicicleta (empréstimo que muito agradeço) é uma melhor opção, pois permite-me variar o tipo de exercício.

Estou agora na sexta semana de treino e o último treino longo que fiz, foi de 23 km - 3 hora e meia. Deixou-me algumas mazelas, aliás... nunca se deve insistir com uma bolha - mais sobre isto, para o próximo post.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Obeso


O primeiro objectivo e o mais importante do programa de treino é perder peso. Há que escrevê-lo: estou obeso. Aconteceu-me já há algum tempo, desde os tempos da faculdade, e veio para ficar.

No dia 3 de Agosto de 2009, quando decido embarcar nesta odisseia (sempre modesto...), tive o cuidado de pesar e medir o animal (eu próprio, bem entendido). Aqui vai:
  • Altura: 176 cm
  • Peso: 108 km
  • IMC (Índice de Massa Corporal): 34.9 (Obeso Grau I)
  • Peito: 120 cm
  • Cintura: 122 cm
  • Perna: 74 cm (sim, só uma...)
As boas notícias é que agora, quase dois meses passados, estou no bom caminho: já perdi 8 kg. Quanto ao resto não voltei a verificar (a fita métrica do IKEA não é muito resistente, foi-se...) mas pelo menos a nível das pernas sinto uma redução significativa de volume.

Peso Normal: <76 kg. Que eu me lembre, depois de crescido, só tive este peso durante a adolescência; aos 15, 16 anos pesava 73 kg - porque não outra vez...

Na realidade, para minha vergonha, até já estive bastante mais pesado: 115 kg (uma autêntica pipa!).

A minha filha (ainda pequenina) quando me quer dar graxa, diz: "És muito fortinho!"

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A metafísica do metatarso

Sempre gostei de fazer coisas improváveis; desde pequeno que exibo comportamentos obsessivos; sinceramente, quase sempre prefiro estar sozinho; embora disfarce bem, sou vaidoso; sempre gostei de caminhar.

Dadas estas variáveis, tudo isto me parece inevitável. Desde o título pretensioso até à minha nova obsessão e tema deste blog: caminhadas de longa distância, ultra maratonas, etc. Improvável, tanto no tema, como no desafio a que me proponho, porque sou neste momento e já desde alguns anos (com ligeiras oscilações) bastante anafado (obeso, para ser tecnicamente exacto). E o desafio (não imediato, bem entendido) é caminhar de norte a sul deste belo país à beira mar plantado em cerca de 2 semanas de etapas diárias e consecutivas. De Caminha (Minho) ao Cabo de São Vicente (Algarve). Creio que são cerca de 650 a 700 kms dependendo do percurso escolhido o que implicaria uma média de 40-50 kms por dia.


Ver mapa maior


Quando o disse, sentado numa esplanada, pareceu-me bem mais fácil do que o antevejo agora. Mas como, sabiamente, também me disseram na altura: uma coisa é dizer, outra o fazer, sendo que pelo meio, como em tudo, há um caminho, uma preparação, um planeamento. E, embora seja um lugar comum, é o caminho, aquilo que se encontra no meio e para além dele, o metatarso e a sua metafisica, que aqui me proponho registar.

Penso que está estabelecido o mote.

Para já objectivos mais realistas: perder peso e percorrer 50 km em cerca de 8 horas.