segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Veneno...

Não tenho, com este blog, qualquer pretensão educativa ou moralista. Quero apenas contar a minha história e aquilo que me vai pela cabeça. Trata-se da minha experiência pessoal e nada mais do que isso. Se querem aprender há muitos e bons livros que o fazem de forma mais acertada. No entanto... é ainda possível aprender e motivarmos-nos através experiência dos outros. Nunca duvidem do meu egoísmo, mas não sou má pessoa.

Agora, sempre que vejo um gordo ou gorda (daqueles que evoluem pelos passeios, de perna aberta e andar cambaleante; e sobem escadas a arfar, de boca aberta) que tenho vontade de lhe contar... de lhe dizer...

Mas não é meu hábito abordar desconhecidos. A timidez não o permite. E de qualquer forma a comunicação seria apenas aparente. Diferentes comprimentos de onda.

Ser obeso não é bom. Articulações e cartilagens. Coração e cabeça. Nada sairá incólume. Quando o pessoal é jovem, não se nota... mas depois aos trinta parece que se tem cinquenta...

Mas não se trata apenas dos obesos.

Tal e qual putos em festa de aniversário, andamos todos (com as devidas excepções) high on sugar! Eléctricos! Frenéticos! E sempre cheios de fome... ansiosos por mais e mais.

(fico sempre indignado quando vejo um pai a ralhar com o filho, pedindo para parar quieto, depois de o deixar enfrascar-se em sumos e bolos)

O açúcar refinado não tem qualquer valor nutritivo. Zero. Bola.

Provoca oscilações dramáticas no teor de glicose no sangue (glicémia), que por sua vez provoca uma descarga exagerada de insulina, seguida de fome. Uma autêntica montanha russa.

Por outro lado, fruta, vegetais, carnes magras (coisa difícil em tempo de animais de capoeira), gorduras saudáveis e ácidos gordos, rareiam. É mais prático usar gorduras hidrogenadas, os açúcares refinados são mais apetitosos, o sal disfarça bem o sabor que pode não ser do melhor... coisas que dão um certo jeito a quem pretende fazer da alimentação uma indústria e ganhar a sua vida - o que a todos é devido.

As células, aquelas coisas pequeninas de que o nosso corpo é feito, funcionam mal. Não foram desenhadas para estas modernices. Estamos literalmente intoxicados. Envenenados.

Não será a última vez que me chamam de radical. E talvez o seja. Mas, intoxicado, envenenado, é exactamente como percebo agora o meu estado antes de ter alterado a minha alimentação. Só perceberão se experimentarem, não vos posso dizer mais nada.

-> Sopa uma ou duas vezes (de preferência duas) ao dia. É a forma mais prática e rápida de ingerir um bom lote de micro-nutrientes.
-> Vegetais frescos, não cozinhados, é bom. Não é que os cozinhados façam mal, só não fazem tão bem.
-> 4 ou 5 peças de fruta, consumidas de preferência fora das refeições (apenas porque a digestão da fruta é muito rápida, 30m, e é estúpido ser apanhado no meio do bolo)
-> Procurem alimentos com um baixo índice glicémico. Cereais e seus derivados (pão, massa, etc) na sua forma integral.
-> Bebam água e não água com açúcar (refrigerantes).
-> Azeite...
-> Fruto secos, mel... isso sim serve para adoçar.
-> Cuidado com os iogurtes. Tarefa difícil... não procurem apenas os magros... procurem os adequados aos diabéticos: baixo índice glicémico! Comparem o rótulos: "Hidratos de carbono, dos quais açucares"...

Tudo o que não está pendurado em árvores ou não tem aspecto de ser vivo merece uma leitura do rótulo. Paranóico? Sim. Afinal é só aquilo que se põe dentro do corpinho.

Não comas nada que a tua avó (bisavó para os mais novos) não comesse.
Também não é preciso ser um monge. As excepções estabelecem a regra.
É também possível comer razoavelmente fora de casa e até nos centros comerciais, mas é preciso escolher bem.

Para os mais ousados: paleo diet

3 comentários:

  1. Bom post. Encomendei a paleo diet for athlets na amazon.

    ResponderEliminar
  2. És rápido.

    Tens sugestões de outros livros relevantes acerca de treino para corrida?

    ResponderEliminar
  3. não... tenho um sobre como evitar lesões em portugues. e um brasileiro sobre metodos de treino no atletismo em geral. um sobre ultras em françês e os dois do karnazes... nas livrarias grandes em portugal não existe NADA. Se quiseres empresto-te algum. Já andava a pensar ter uma biblioteca para a malta poder consultar e pedir emprestado, vou avançar com isso brevemente no blog.

    ResponderEliminar