quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Pé ao alto, gelo

A vida é uma sucessão de episódios estúpidos. Uns mais do que outros. Na minha vida, mais do que na dos outros. Este que agora passo a descrever ficará sem dúvida bem classificado do ranking da estupidez.

Quarta-feira à tarde. Saí para uma pequena corrida. Ritmo moderado. Ar frio. Sol tímido, mas reconfortante. O dia estava tão agradável e correr é tão bom, pois é. Vou aqui rente ao rio onde nunca passo durante a noite porque é pouco iluminado e o piso tão irregular - boa ideia. Ia eu tranquilamente a pensar como me sentia deprimido desta semana ter planeado correr só 30 e tal kms e em como duas semanas de descanso para a maratona se calhar era um exagero. A correr bem, em bom ritmo. Deixa cá olhar para o relógio... F.d.-s. Quando dei por mim estava estatelado ao comprido. Olha que estupidez. E aleijei-me mesmo. Já estás.

Luvas rotas, mãos e joelhos esfolados. Mas o pior, percebi uns minutos depois enquanto me arrastava até a casa, foi a tremenda biqueirada que mandei num ressalto ou saliência do chão. Esse sim foi o problema. Dedo grande inchado, com muita dificuldade em mover, e não consigo apoiar convenientemente o pé. Não está partido - não me pareceu, mas em vez de ficar a encornar nisso decidi tirar logo as dúvidas com um raio-x - mas também não está nada bom. Pelo menos não para correr 42km. Ainda tenho alguma esperança de recuperar a tempo, mas não muita.

Interiormente já aceitei que não vou. Custa-me muito, mas não vou. Outras oportunidades haverá. E cada vez me desgosta mais a vertente de participação em provas. O meu rácio de desastres (antes e depois) é impressionante. Talvez seja melhor ficar-me pelos treinos. Hei-de correr uma maratona - nem que seja sozinho.

Na filosofia do metatarso o importante é o caminho e esse foi percorrido. Faltavam dois treinos e a maratona.

2 comentários:

  1. f##$%%-se! tas a brincar!!! olha que bela merda... nem sei que te dizer... aparece lá na feira vou lá estar no stand da WIKABOO. abraço

    ResponderEliminar
  2. é. não há muito a dizer. mas tb não é o fim do mundo.

    ResponderEliminar